31/10/2011

Cilene e Thiago - 29/10/2011

Em uma cerimônia muito linda e diferente, Cilene e Thiago disseram o "sim" na presença de seus familiares e amigos. Digo que foi diferente pois não houve a tradicional entrada dos padrinhos e do noivo. Quando a noiva entrou, ao som de um trecho da Marcha Nupcial, seguida da música She, de Elvis Costello, padrinhos e noivo já a esperavam no altar. Foi lindo!

Após a cerimônia, a festa seguiu em um ritmo muito agradável. Os noivos irradiavam felicidade e trocavam carinhos e beijos o tempo todo. No fim de tudo perguntei à noiva: "Foi assim que você sonhou?" E ela respondei balançando a cabeça: "Sim! Estava tudo perfeito! Obrigada!". E mais uma vez agradeci à Deus pela sensação de dever cumprido.

Cilene e Thiago, sejam muito felizes!


































27/10/2011

7 dicas para o buquê de noiva perfeito
Expert conta os segredos para escolher o formato, o estilo e as cores certas para o buquê


Noiva deve estar tão segura com o vestido quanto com o buquê


Junto do vestido e das alianças, o buquê é um ícone do casamento. Ele pode ofuscar, destoar ou harmonizar com o look da noiva, tudo depende da escolha. Com mais de 11 anos (e 1500 casamentos) de experiência em decoração, especificamente em buquês e arranjos de flores, Andrea Saladini contou para o Delas os sete segredos para a escolha do buquê perfeito.

1. Não subestime o seu buquê
“Muita gente acha que para fazer o buquê é só amarrar um maço de flores. Mas não é bem assim”, diz Andrea. “O buquê é uma joia, um dos ícones do casamento”. Para a decoradora, é proibido à noiva delegar a compra do buquê para outra pessoa, assim como deixá-la para última hora.

2. Combine o buquê com o seu estilo e com o estilo do vestido
Para escolher as flores, leve em conta o estilo do vestido e o da própria noiva. Segundo Andrea, um vestido romântico, como os rendados, seria eclipsado por um buquê vermelho e grande. “O buquê é como uma armadura: é nele que a noiva segura quando entra na Igreja. Por isso, a noiva precisa estar muito segura com o vestido e com o buquê”, diz.


Cores das espécies não devem combinar com detalhes do vestido, nem com o sapato da noiva


3. Considere sua estatura para determinar o formato
Se a noiva é mais alta, é melhor apostar em um buquê de cascata. Se é mais baixa, os clássicos redondos são ideais. Por ser longo, um buquê em forma de cascata dá a impressão de que a noiva é menor. Já um redondo e pequeno ficaria desproporcional para uma noiva muito alta. “Vai parecer que ela roubou o buquê da daminha”, brinca a decoradora.

4. Não use flores da mesma cor do vestido ou do sapato
Se o seu vestido tem uma faixa ou se você optou por um sapato colorido, não escolha um buquê com estas cores. De acordo com Andrea, se a noiva escolheu usar um sapato colorido, então o destaque precisa ser voltado para ele. E as flores do buquê deverão ser neutras. “A noiva não pode usar muitos acessórios que chamam atenção, senão ela some”, explica.





5. Não use as mesmas flores da festa
Nada de usar as mesmas flores da festa ou da decoração da igreja no buquê. “A sensação que dá é como se as flores da festa tivessem sobrado para fazer o buquê. É como se você estivesse vestindo a decoração”, define Andrea.

6. Cuidado com flores delicadas ou perfumadas demais
Tulipas, hortênsias, lírios e angélicas são flores lindas, mas têm um pequeno problema: as duas primeiras são delicadas, as duas últimas têm um perfume bem marcante. A combinação delas com um casamento no verão ou um noivo alérgico poderiam ser desastrosas. “As tulipas, por exemplo, são entregues num isopor com gelo. E é bom que as coloque na geladeira, se estiver muito calor, senão elas abrem demais”, comenta Andrea.




7. Girassol, não!
De todas as espécies, só uma é vetada nos buquês feitos por Andrea: os girassóis. “Não faço buquê de girassol. Ele é muito espalhafatoso, aparece mais do que a noiva”, comenta Andrea. Além disso, segundo a decoradora, a flor tem um cabo muito grosso e solta um tipo de seiva que pode manchar o vestido. Melhor evitar.

Camila de Lira, iG São Paulo | 10/08/2011 08:02

20/10/2011

Maquiagem para durar a festa toda
Lágrimas, beijos e abraços: confira dicas de um especialista para a maquiagem do seu grande dia resistir a tudo


Maquiagem de noiva: Atenção especial para a base

No dia do casamento, é para a noiva que todos olham o tempo todo. Lágrimas, abraços e beijos não vão faltar ao longo da cerimônia e da festa. É só juntar dois e dois para fechar a conta: uma maquiagem de longa duração é essencial. O beauty artist Lú Ramos, da Glloss Management, assina a beleza de editoriais de moda, já maquiou celebridades como Carolina Dieckmann e Gabriela Duarte e dá as dicas.

Um primer é item de primeira necessidade na maquiagem de uma noiva. Ele prepara a pele para receber os produtos todos, uniformizando sua superfície e preenchendo eventuais ruguinhas e linhas de expressão. Depois, matifica a pele e ajuda ainda a segurar a maquiagem ali por muito mais tempo. Existe um primer específico para cada parte (um para o rosto, outro para a área dos olhos e mais outro para a boca). “Use todos eles”, recomenda o maquiador.

A base é o produto que, se mal escolhido, pode arruinar um casamento. Para ele, as melhores são as bases HD. Elas têm fórmulas tecnológicas e são usadas frequentemente no cinema e na televisão. Como contêm silicone, formam uma espécie de filme protetor sobre a pele sem obstruir os poros, de modo que o rosto fica imune às agressões externas (como o calor provocado pela luz forte de um ambiente) e às internas (como a vermelhidão e o suor que acompanham as noivas mais emotivas no dia de seu casamento). Peça ao seu maquiador uma base desse tipo.

E diga não ao pancake! “As bases pesadas são coisa do passado. O rosto fica com uma aparência artificial e a pele fica craquelada pouco tempo depois da aplicação”, explica. Outro “não” vai para o airbrush, aquele aparelhinho que solta tinta a partir de um compressor de ar. “É muito artístico”, justifica ele. “Deixe o airbrush para os atores de teatro e de musicais”.

A finalização fica por conta do pó translúcido. Com partículas brilhantes, ilumina a pele e favorece o rosto diante dos flashes de uma câmera fotográfica. O truque do maquiador? “Aplicar o pó com moderação nas têmporas, indo em direção a sobrancelha; na ponta do nariz e na ponta do queixo”.

Os retoques deverão ser feitos sempre que houver necessidade. Para a pele, os pós minerais são o que há de melhor. “Eles têm fórmulas livres de talco e determinadas gorduras, e tiram a oleosidade deixando a pele confortável e fresca”, explica. Para a boca, um batom com ingredientes hidratantes garante a fixação da cor sem ressecar os lábios.

Antonia Petta, especial para o iG São Paulo | 17/08/2010 14:49
 

12/10/2011

Como fazer uma lista de convidados perfeita
Convidar ou não o chefe? E aqueles tios distantes? Os pais dos noivos podem tomar conta da lista? Especialistas respondem

 Lista de convidados: critérios ajudam os noivos a decidir
Nomes de primos e amigos são cortados, recolocados e cortados novamente; pais dos noivos indicam pessoas desconhecidas para serem convidadas; noivos debatem a quantidade total de pessoas: a hora de fechar a lista de convidados é uma das mais tensas de toda a organização do casamento. Para a tarefa não tirar o sono dos noivos, a cerimonialista e autora do livro “Casamento sem Frescura” (Editora Melhoramentos) Cláudia Matarazzo afirma que eles precisam, em primeiro lugar, ter em mente a quantidade de pessoas que querem em sua festa. “A primeira coisa é descobrir o número de pessoas e a verba que eles têm para o casamento”, diz Cláudia.

Outras técnicas podem ajudar. “Sugiro aos noivos colocar todo mundo que eles gostariam de convidar no papel – e trabalhamos a partir daí”, comenta Marina Bedaque, da Coordinare Eventos. “É com base na quantidade de convidados que a maioria dos serviços são contratados. A lista também nos dá uma ideia do estilo da festa e dos gastos totais”, completa a assessora Julia Pessoa, da Oh!Happy Days.

Se a lista bruta de pessoas não estiver em mente, o casal deve ter ao menos uma ideia da quantidade de pessoas que quer ter na festa. De acordo com o organizador de casamentos Ricardo Ranier, a partir do número bruto o casal divide a quantidade de convites que fica para cada um. “Para fazer um critério absolutamente justo, a família do noivo tem direito a convidar 25%, a da noiva 25% e o casal, 50%”, observa Cláudia.

Critérios rigorosos

Com o número de convidados acertados, os nomes começam a aparecer na lista. Mas qual critério adotar? Segundo Marina Bedaque, os noivos precisam se lembrar de que o casamento é uma festa familiar. “Eles devem convidar pessoas do seu convívio diário, pessoas que têm significado para eles”, explica Marina.

Já Cláudia Matarazzo é mais objetiva. “Você não precisa convidar para o seu casamento quem nunca foi na sua casa”, analisa a cerimonialista. Para ela, a ideia de uma festa de casamento é o casal comemorar com quem está envolvido diretamente com o relacionamento.

Além disso, serão estes critérios que ajudarão os noivos a cortar pessoas da lista, se isto for necessário. “Os noivos podem começar cortando quem nunca foi nas suas casas. Depois as pessoas do trabalho. Os últimos a se cortar são familiares e amigões”, aconselha Cláudia Matarazzo. “Os noivos podem cortar pessoas com quem ambos têm uma relação superficial”, acrescenta Ricardo Ranier.

Família distante

Em alguns casos, são os pais dos noivos que fazem questão de convidar os familiares mais distantes, pois têm boas relações com eles, apesar dos noivos os conhecerem pouco. “E quando acontece de convidar todos os tios e não convidar apenas um? Não tem necessidade disso”, fala Marina. Para estes familiares não se sentirem de fora do casamento, Julia Pessoa sugere aos noivos o envio de um cartão contando sobre o casamento e ainda os convidando para conhecer a sua nova casa.

Porém, se um dos noivos recebeu o convite de casamento desses familiares, é educado convidar em retribuição. “Mas não convide contando que ele não irá”, aconselha Ricardo.

Outro detalhe que não pode ser ignorado, lembram Cláudia e Marina, é que quem paga a festa tem direito a convidar mais pessoas. Ou seja, se são os pais da noiva ou do noivo que estão assinando os cheques, é educado deixar que eles convidem seus amigos e familiares.

E no trabalho?

“Casamento não é um evento corporativo, nem uma reunião comercial”, diz Ricardo Ranier. Portanto, não há necessidade de convidar todo o departamento ou chamar todo mundo do trabalho.

Quando o assunto é o chefe, os assessores divergem. Cláudia Matarazzo recomenda convidá-lo, sempre. Para Ricardo e Marina, o convite depende do relacionamento: se a pessoa é próxima do chefe, tudo bem chamá-lo para a festa; se não, tudo bem não chamá-lo. “Nem todo chefe quer dançar na pista com seus funcionários”, brinca Ricardo.

“Um bom critério é chamar apenas as pessoas com quem você tem uma relação fora do escritório e, para os outros colegas mais próximos, separar bem-casados ou um pedaço do bolo e entregar na volta da lua de mel”, sugere Julia Pessoa. Se for convidar poucas pessoas do trabalho, Ricardo aconselha não fazê-lo durante o expediente. “É bom pedir sigilo para os convidados e evitar comentários no ambiente de trabalho”, aconselha Ricardo.

Se você ainda está na dúvida, lembre-se que nem sempre um convite é bem-vindo. Chamar pessoas com quem não se tem muita convivência é tão inconveniente para ela quanto para os noivos. “As pessoas do trabalho que não são convidadas entendem e dão graças a Deus. Quem gosta de casamento é só quem está realmente envolvido com a festa ou com os noivos, o resto das pessoas acha bem sem graça”, diz Cláudia Matarazzo.

Camila de Lira, iG São Paulo | 15/07/2011 07:35

09/10/2011

Ana Paula e Guilherme - 08/10/2011

Quando fizemos nossa primeira reunião, percebi no brilho dos olhos de Ana Paula a grandeza de seu sentimento por seu noivo. Na última reunião, Guilherme estava presente, pude perceber então que a recíproca também era verdadeira. Eles formam um casal que ao mesmo tempo se diferem e se completam.

Enfim, chegou o Grande Dia! Durante a cerimônia, foi possível perceber a força da união de ambos com suas famílias. Na festa, a alegria foi contagiante do início ao fim. Pais, padrinhos e amigos aproveitaram cada minuto. E por fim, fiquei muito feliz ao ouvir da noiva "Foi tudo maravilhoso! Adorei!".
  
Desejo que Ana Paula e Guilherme sejam cada vez mais abençoados e vivam felizes para sempre!




















06/10/2011

Cinco estilos de vestidos de noiva
Entenda o que define os diferentes estilos dos vestidos de casamento, veja as famosas que usaram e escolha o que mais combina com você
  

Juliana Paes: Noiva Sexy

Encontrar o seu próprio estilo é o primeiro passo para a busca pelo vestido perfeito. As brides-to-be estão acostumadas a folhear revistas e vasculhar a internet atrás de modelos inspiradores, mas muitas vezes se esquecem de traçar um plano de acordo com a própria personalidade e com a personalidade da festa.

Separamos cinco estilos de vestidos de noiva e mostramos as celebridades que já usaram, para ajudá-la a escolher o traje do grande dia. Confira.


1. Romântico O que define: é um estilo menos ostensivo, com muita renda e referências retrô
Com quem combina: noivas mais delicadas
Para que tipo de festa: intimistas ou diurnas
Quem já usou: Sandy

Foto: Edu Cesar/Fotoarena/Reprodução
Estilo romântico: para noivas delicadas, como a cantora Sandy

2. Folk
O que define:
tecidos fluidos, de corte levemente reto. Pode ter o toque floral
Com quem combina: noivas mais velhas ou mulheres de estilo marcante
Para que tipo de festa: ao ar livre
Quem já usou: Kate Moss

Foto: Edu Cesar/Fotoarena/Reprodução
Estilo folk: para mulheres marcantes, como Kate Moss


3. Contemporâneo
O que define:
como a arte, o estilo contemporâneo é uma mistura de referências. Costuma ter um corte mais clean
Com quem combina: noivas modernas
Para que tipo de festa: versátil, serve tanto para noturnas quanto para diurnas
Quem já usou: Megan Fox

Foto: Edu Cesar/Fotoarena/Reprodução
Estilo contemporâneo: mistura de referências ideal para modernas, como Megan Fox

4. Clássico
O que define:
cintura marcada, saia mais volumosa e uso de tecidos como tule
Com quem combina: noivas que sonham em se casar como princesas
Para que tipo de festa: embora versátil, combina mais com uma festa grande e noturna
Quem já usou: Chelsea Clinton

Foto: Edu Cesar/Fotoarena/Reprodução
Estilo clássico é definido pela saia mais volumosa, como a de Chelsea Clinton


5. Sexy
O que define:
cortes e tecidos capazes de evidenciar mais o corpo da noiva
Com quem combina: noivas sensuais
Para que tipo de festa: noturnas
Quem já usou: Juliana Paes

Edu Cesar/Fotoarena/Reprodução
O estilo sexy valoriza as formas da noiva, como no modelo usado por Juliana Paes

Fontes: estilistas Camilla Giometti, Sheila Kracochanski, Cecilia Echenique, Gabriela Piccoli e Andrea Garcia.

04/10/2011

Noivas viajam para comprar os vestidos no exterior
Variedade de cortes, modelos de estilistas famosos e preços em conta atraem mulheres que estão planejando o casamento

De cerca de dois anos pra cá, uma enxurrada de noivas desembarca nos Estados Unidos atrás do vestido para usar no grande dia. Com a variedade de marcas e a vantagem dos preços baixos, apesar da variação do câmbio, comprar o vestido de noiva no exterior tornou-se um negócio vantajoso. Foi assim com a profissional de marketing Cristiane Barcelos, 32 anos. Um ano antes da data do casamento, ela viajou de férias com a família para Orlando e aproveitou para ir a Nova York com a mãe para comprar o vestido.

“Em um só dia visitei cinco lojas. No final, voltei para comprar o escolhido na primeira. Queria um modelo de cava americana, mas acabei ficando com um tomara-que-caia off white, de tafetá com renda francesa, maravilhoso!”, conta. “Foi a aquisição mais importante de toda a viagem”. Como o grande dia ainda estava longe, ela fez os ajustes aqui no Brasil mesmo. Cristiane dá uma dica importante para as noivas que pretendem fazer o mesmo: a maioria das lojas tem vestidos de pronta entrega e sob encomenda. Se você não pode voltar para buscá-lo meses depois, peça para ver apenas os primeiros.

Cristiane em três momentos: carregando o vestido pelas ruas de Nova York; durante a prova e no dia do casamento

Noiva prevenida vale por duas

Vale a pena pesquisar incansavelmente as lojas pela internet antes de comprar a passagem. Assim, a noiva não vai bater perna sem rumo até encontrar as lojas que fazem mais o seu estilo. A advogada Vera Lucia, 29 anos, preferia um modelo mais simples. Por isso, foi direto às lojas de departamento com sessão de noivas, chamadas de “bridal shop”. “Sei que aquelas que gostam de um vestido mais elaborado devem procurar lojas especializadas e agendar as visitas com antecedência”, ressalta.

A também advogada Angela Teodoro, 27 anos, saiu do Brasil com tudo marcado. “Entrei no site de uma loja chamada Pronovias e foi paixão à primeira vista. Antes disso não tinha visto nenhum vestido no Brasil que tivesse me agradado tanto. Os modelos são mais simples, sem muitos bordados, mas muito bem desenhados”. Ela escolheu o vestido que queria pela internet mesmo, conversou com uma das vendedoras por e-mail, enviou as medidas e chegou a Nova York direto para a primeira prova. Como ela ia ficar por mais tempo, pois estava visitando o noivo que havia se mudado pra lá, fez a segunda prova uma semana depois e já embarcou com o vestido prontinho.
Angela Teodoro adiantou tudo pela internet e teve tempo de fazer as provas do vestido de noiva em Nova York, EUA
Para entrar nos Estados Unidos, é necessário um visto do consulado americano e os agendamentos das entrevistas para consegui-lo estão demorando meses. Portanto, se você não tem o visto e está a menos de seis meses do casamento, melhor comprar o vestido por aqui mesmo.

Fora do eixo

Mas o mercado dos vestidos vai além do eixo Brasil-EUA. São vários os ateliês especializados em noivas na Europa, principalmente na Espanha. A marca Pronovias, por exemplo, escolhida pela Angela Teodoro, é de lá.

A advogada Larissa Machado, 29 anos, já estava com o casamento marcado quando foi fazer um mestrado em Barcelona. Foi a uma butique e amou um vestido de tule e renda de seda da marca Rosa Clará. “O mesmo vestido no Brasil custava R$ 17 mil. Paguei 1.900 euros”, conta.

Larissa fez os primeiros ajustes na Espanha mesmo. Mas como voltou para o Brasil quatro meses antes do casório, teve de fazer mais alguns por aqui. Mesmo assim, valeu a pena. “Recomendo às noivas comprar o vestido no exterior, não só por causa do preço, mas também porque quando a gente compra um vestido pronto diminui muito a ansiedade”. E é claro que você não deve colocar na conta apenas os valores em dinheiro. Visitar uma cidade incrível só pode acrescentar momentos especiais ao álbum de memórias do seu casamento.

Livia Valim e Cáren Nakashima, especial para o iG São Paulo | 02/10/2011 08:54